A BIBLE 360°

O nome nasceu para uma série de estudos bíblicos ministrados em 2010 por Lúcio Trindade, em combate à imaturidade dos egocentrismos ministerial de pastores desta geração.

No convívio de muitos irmãos na fé, em sua maioria líderes eclesiásticos “maduros”, e ministérios “consolidados”,  percebeu-se que os mesmos tendiam a ampliar o foco [de forma distorcida] naquilo que de fato entendiam carro chefe do seu chamamento.
O tônus aqui está na forma distorcida e não na ampliação natural do foco para o chamamento, o que em parte é natural e “quase” inevitável.

Ministros da linha da “libertação”[e não teologia da libertação] vêem todo o ensinamento bíblico pelo espectro da demonização de quase tudo. Se algo bom ocorre é devido a não existência de brechas abertas, se, no entanto algo ruim acontece, com certeza é brecha, pecado, e por isso os demônios entraram.
No mais alto absurdo desta demonização, está a classificação de algumas doenças, tais como a depressão, como a ação direta de demônios, e não a possível baixa de alguns neurotransmissores, tais como a serotonita. A tristeza continuada que acarreta de fato o estado depressivo também é condenada.
Pessoas são massacradas e muito machucadas, empurradas ainda mais para baixo, como se essa enfermidade fosse algum tipo de falta de fé, ou má conduta que permitisse ali, a entrada e permanência de tal demônio.  
Cristo é colocado de lado, dando lugar ao poder de tudo que o demônio pode contra a vida do cristão. O ambiente de amor divino dá lugar à atmosfera de medo de errar. A Graça divina é quase sempre tachada como fraqueza ou libertinagem, e o peso deste “evangelho”fica insustentável a longo prazo.

Pastores com visões da Fé Reformada, perdem grandemente a oportunidade de experimentar o “charisma”, em sua forma manifestada de curas físicas e outras expressões dos dons.
Ficam tão focados na teologia sistemática, que perdem o foco da mesma, e, ao invés de verem a Palavra como um todo, focam na letra que mate, em detrimento do Espírito que edifica. Regras, leis e infindáveis normas cristãs são tão valorizadas, que por vezes as próprias vidas dos irmãos são negligenciadas, dando lugar a uma silenciosa soberba intelectual e espiritual, além de uma frieza no cumprimento do amor ao próximo.

Homens voltados à Palavra da Fé, DECLARAM TUDO, mas muitas vezes agem até mesmo de forma alienada. Declaram prosperidade porque está escrito, mas trabalham pouco, sempre procurando o caminho mais fácil. Declaram CURA, e evitam tratamentos médicos, que, de fato, não deixam de ser uma das formas em que a multiforme sabedoria de Deus se manifesta.
Pessoas investem anos em suas faculdades, residências e especializações, se tornam bioquímicos, especialistas e farmacologia, criam medicamentos e os experimentam cientificamente, e, ao invés de vermos isto como ação de Deus, negligenciam toda esta estrada e “delcaram”a cura da dor de cabeça, quando o medicamento está na gaveta ao lado.
Esta imaturidade frustra a muitos, que, de forma empírica, colocam a culpa em Deus como Aquele que não pode curar, ou um Pai mau que não ouve, nem importa com seus filhos.
 
Com isso,  Cristo orbita em torno de alguma de suas muitas facetas, e estes bem intencionados partidários, o tiram do centro, onde Ele deve estar.
O cristão então deixa de ser completo, e se fragmenta de acordo com sua percepção, e talvez até seu dom, tornando-se um líder anão, e por vezes criador de novos desdobramentos humanos não solicitados por Deus nas Escrituras Sagradas.